CONHEÇA A VIA CONSOLATO:

expertise e comprometimento são nossos pilares

UMA HISTÓRIA FEITA DE SONHOS

A Via Consolato foi fundada em 2017, pelo sócio proprietário Dr. Vinicius Santana Ribeiro, a partir do reconhecimento da necessidade de muitos brasileiros receberem apoio para conquistar seus direitos como cidadãos europeus. Desde então, nosso objetivo é estar ao lado do cliente desde a descoberta do direito à dupla cidadania até a emissão do passaporte.


Hoje, temos orgulho em compartilhar que a nossa empresa conta com uma seleta equipe de colaboradores bilíngues, especialistas em processos de reconhecimento da dupla cidadania tanto italiana quanto portuguesa, bem como advogados que atuam em processos de retificação de registros civis. Também contamos com o trabalho e expertise de tradutores matriculados na Junta Comercial.


Tudo aqui foi estruturado para transformar em realidade o sonho do reconhecimento da dupla cidadania de milhares de brasileiros. Queremos fazer parte do resgate da memória de diversas famílias descendentes de imigrantes italianos e portugueses que escolheram o Brasil como sua segunda casa.

Conheça nossa equipe

Somos uma equipe de advogados com expertise em cidadania italiana e portuguesa.
Especialistas em consultoria internacional, analisamos processos de alta
complexidade, bem como realizamos análise contratual e representação jurídica
no Brasil e na Itália, pela esfera extrajudicial e também judicial. Atuamos com ênfase na
assessoria, análise de documentos e representatividade para cidadãos descendentes
de italianos e portugueses que desejam exercer o direito à dupla cidadania
Vinicius Ribeiro
Advogado. Especialista em direito processual civil e direito de família e sucessões, é expert em processos de Cidadania Italiana e Portuguesa. Foi Coordenador Legislativo na Câmara Municipal de São Paulo e ex-assessor especial parlamentar na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Atuou como chefe de cartório por cerca de 10 anos, pelo 4º Tabelião de Notas e 34º Oficial de Registro Civil, ambos da Comarca de São Paulo. Consultor internacional em demandas consulares com atuação em direito notarial e registral, direito de família e sucessões, inventário, contencioso e consultivo cível, revisão e elaboração de contratos e retificação judicial e/ou administrativa de registro público.

FORMAÇÃO

  • Pós-graduado em Direito Processual Civil pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.
  • Curso de Especialização em Direito Imobiliário pela Faculdade de Direito Damásio de Jesus.
  • Curso de Capacitação de Escreventes para Inventários e atos Notariais pela Escola de Escreventes Colégio Notarial do Brasil.
  • Graduação em Direito pela Universidade Paulista - UNIP.
Bruna Gonzales Augustaitis
Assessora e consultora internacional. Especialista em processos judiciais consulares e em consultoria internacional especialmente voltado para reconhecimento da cidadania italiana por via judicial. É especialista em negociação estratégica pelos consulados italianos na Espanha, análise de riscos e compliance, fluente em espanhol.

Atuação nos setores administrativo e extrajudicial, com ênfase na solução de conflitos, visando a solução rápida, eficaz e menos onerosa entre as partes.
Thiago Amalfi
Advogado. Especialista em contencioso e consultivo cível com ênfase em contratos e análise documental de alta complexidade nas atividades consulares. Atuação em direito do civil, processo civil e consumidor.

Vasta experiência em execuções contra a Fazenda Pública Estadual, planos econômicos, ações em embaixadas e consulados e processos administrativos.
Diego Severo
Advogado. Especialista em processos judiciais no contencioso e consultivo cível, ações de retificações de registro público, administrativos e judiciais. Vasta experiência em processos administrativos consulares junto a órgãos e entidades públicas Federais e Estaduais. Atua nos mais abrangentes níveis de complexidade em processos estratégicos e diversificados.
Nathalia Landa
Especialista em processos consulares. Bacharel em Direito, com experiência e prática em contencioso e consultivo cível, atuando na elaboração e revisão de contratos, análise de certidões e documentos, elaboração de petição inicial e outras peças processuais de diferentes níveis de complexidade, com ênfase nas ações de retificações de registro público.
Camila Silva
Especialista em processos consulares. Atualmente atuando com busca e pesquisa de documentos no Brasil e na Itália e montagem de árvore genealógica com ênfase no suporte, relacionamento e atendimento ao cliente. Acompanhamento e montagem de processos para reconhecimento de cidadania italiana iure sanguinis por via judicial (materno e contra filas), via consulados e via comune (na Itália).
Alice Ribeiro
Especialista em processos consulares. Experiência em criação de conteúdo digital, voltado para pesquisas e temas relevantes e atuais sobre a legislação italiana e cenário atual de mercado. Análise técnica de documentos para processos de reconhecimento de cidadania italiana (iure sanguinis), e montagem de processos para reconhecimento de cidadania italiana iure sanguinis.

Nosso escritório

Trabalhamos com total transparência em todos os processos. Por isso, estar perto do cliente também fisicamente e oferecer a ele a escolha de comparecer em nosso escritório e ver por conta própria como funciona o trabalho dos nossos especialistas é uma prioridade para nós. Por isso, a Via Consolato possui sede em São Paulo, com uma infraestrutura qualificada para o atendimento de novos clientes e manutenção da carteira de mais de mil processos em andamento. O escritório é planejado para que você tenha a melhor assessoria em serviços consulares portugueses e italianos.

Atendemos descendentes de italianos e portugueses de todos os cantos do Brasil

Não sabe se tem direito, como funciona ou por onde começar a buscar sua cidadania italiana ou portuguesa?

Agende agora mesmo a primeira avaliação gratuita!

Você tem perguntas?
Nós temos respostas!

Quem tem direito à cidadania italiana por descendência?
A cidadania italiana é transmitida a partir do(a) ascendente nascido na Itália aos seus descendentes em linha reta sem limite de gerações. Não é necessário que, antes de requerer, um de seus ascendentes já tenha tido o reconhecimento. Ex: João é bisneto de italiano e deseja reconhecer a sua cidadania. Não é necessário que o avô ou pai de João tenha sido reconhecido anteriormente.
Quanto custa para conquistar a cidadania italiana ou portuguesa?
O Infelizmente, não é possível reutilizar pasta de documentos caso seus familiares tenham realizado o processo nos consulados italianos no Brasil, pois os documentos ficam arquivados no consulado. Caso algum familiar tenha realizado os processos num processo administrativo, ou residindo na Itália, é ideal verificar com o comune, pois os documentos são arquivados após um tempo, e isso pode variar muito entre os comunes. Pode ser feito o desarquivamento, mas não é um processo recomendado, pois leva tempo e pode ser negado pelo oficial do comune.
Um parente conseguiu a cidadania há 3 anos. Posso utilizar a mesma documentação?
O Não é recomendado o trabalho durante os processos de reconhecimento da cidadania italiana, pois é necessário seguir rigidamente as exigências e agendamentos do comune, além de aguardar a visita do vigile, que é quem irá confirmar se a pessoa vive onde declarou de fato, para que não haja fraudes no processo. Outro fator que impede o trabalho é a falta de um visto. Quando se está reconhecendo a cidadania residindo na Itália, você ingressa como turista, onde pode permanecer até 90 dias, sem necessidade de visto para legalizar sua permanência, e sendo um estrangeiro sem vistos, dificilmente irá surgir uma oportunidade de trabalho legal, pois os contratos de trabalho demandam alguns pré-requisitos.
Posso trabalhar durante o processo de cidadania por via administrativa?
A Esse é um fator muito variável, pois deve-se levar em conta a forma como será realizado o processo de reconhecimento da cidadania, a necessidade de retificar ou não os registros, a quantidade de documentos envolvidos no processo, quem serão os requerentes, dentre outros fatores. Entre em contato com nossos especialistas e solicite um orçamento agora mesmo.
A cidadania italiana é transmitida a partir do(a) ascendente nascido na Itália aos seus descendentes em linha reta sem limite de gerações. Não é necessário que, antes de requerer, um de seus ascendentes já tenha tido o reconhecimento. Ex: João é bisneto de italiano e deseja reconhecer a sua cidadania. Não é necessário que o avô ou pai de João tenha sido reconhecido anteriormente.
Esse é um fator muito variável, pois deve-se levar em conta a forma como será realizado o processo de reconhecimento da cidadania, a necessidade de retificar ou não os registros, a quantidade de documentos envolvidos no processo, quem serão os requerentes, dentre outros fatores. Entre em contato com nossos especialistas e solicite um orçamento agora mesmo.
Infelizmente, não é possível reutilizar pasta de documentos caso seus familiares tenham realizado o processo nos consulados italianos no Brasil, pois os documentos ficam arquivados no consulado. Caso algum familiar tenha realizado os processos num processo administrativo, ou residindo na Itália, é ideal verificar com o comune, pois os documentos são arquivados após um tempo, e isso pode variar muito entre os comunes. Pode ser feito o desarquivamento, mas não é um processo recomendado, pois leva tempo e pode ser negado pelo oficial do comune.
Não é recomendado o trabalho durante os processos de reconhecimento da cidadania italiana, pois é necessário seguir rigidamente as exigências e agendamentos do comune, além de aguardar a visita do vigile, que é quem irá confirmar se a pessoa vive onde declarou de fato, para que não haja fraudes no processo. Outro fator que impede o trabalho é a falta de um visto. Quando se está reconhecendo a cidadania residindo na Itália, você ingressa como turista, onde pode permanecer até 90 dias, sem necessidade de visto para legalizar sua permanência, e sendo um estrangeiro sem vistos, dificilmente irá surgir uma oportunidade de trabalho legal, pois os contratos de trabalho demandam alguns pré-requisitos.